Mariana Pereira.jpg

Mariana Pereira

Como diretora da Darktrace, Mariana trabalha em estreita colaboração com as equipes de desenvolvimento, analistas e marketing para desenvolver estratégias comerciais de alto impacto para promover a tecnologia IA da Darktrace para defesa cibernética para públicos técnicos e não técnicos. Sua extensa carreira como executivo inclui mais de uma década de experiência comercial e de marketing em empresas de diversos setores, incluindo a Autonomy, empresa de software corporativo, e a KraftHeinz, líder mundial de FMCG. Ela possui um MBA da Universidade de Chicago e fala vários idiomas.

Quando as máquinas atacam máquinas: batalhas cibernéticas e a nova fronteira da Inteligência Artificial

As ameaças cibernéticas estão mudando. Além dos ataques de alta velocidade, os atacantes mais sofisticados estão adotando uma estratégia de longo prazo, silenciosa e furtiva.
O ecossistema digital também esta mudando. Com o aumento da digitalização, o crescimento dos dispositivos IOT, e a migração para nuvem, a superfície de ataque aumentou e as redes se tornaram mais vulneráveis. Proteger o perímetro da rede não e simplesmente possível.
Para proteger conta ameaças que evoluem constantemente, as ferramentas de segurança cibernética do futuro devem ir alem da proteção contra os ataques passados – para achar mesmo o que não sabe procurar. Com a tecnologia de inteligência artificial surge o sistema de autoaprendizagem e autodefesa, capazes de detetar ameaças e neutralizá-las em tempo real.
Nessa sessão aprenda como:
- Lidar com novos tipos de ameaças, inclusive IA armada
- Ultrapassar as limitações das abordagens legadas à segurança da informação
- Adotar o ‘"sistema imunológico" para segurança cibernética, com tecnologia de aprendizado de máquina
- O poder da IA ara revidar de forma autônoma contra ataques em andamento
- Casos reais de ataques inclusive hacks de IOT e ameaça interna furtiva.